Filho, cursando Engenharia Civil na Unisanta, segue os passos do pai

265

O curso de Engenharia Civil da Unisanta já acumula 44 anos de história, formando profissionais que contribuíram e contribuem para o desenvolvimento da região e do País.

Esses 44 anos de existência permitem o surgimento de história como a de Sidney Cesar Botto Pereira Junior e Henrique Cesar dos Santos Botto Pereira, um pai engenheiro civil formado na Unisanta, que acaba de acompanhar o filho para sua matrícula no curso de Engenharia Civil da Universidade Santa Cecília.

Sidney Cesar é santista, tem 51 anos de idade e se formou engenheiro em junho de 1994: “Decidi cursar Engenharia Civil porque meu padrinho também era Engenheiro Civil e me influenciou bastante. Escolhi o Santa Cecília porque era a melhor Faculdade de Engenharia Civil da Baixada Santista”, comenta Sidney, revelando que a influência familiar nesse assunto não é de hoje.

Quando ingressou no curso, em 1987, Sidney conta que eram seis anos letivos, só com a opção do estudo noturno. Dessa época, o engenheiro guarda na lembrança a grande influência de alguns professores. “Tínhamos professores muito bons: Shimizu (Concreto e Estrutura), Dilvio (Topografia), Estevam Madarás (Pontes e Concreto Protendido) e o Pedro M.M. Marcão (Solos e Fundações), que nos ensinavam e exigiam muito em suas aulas e provas, dessa forma contribuindo para que nos tornássemos bons profissionais e respeitados no mercado de trabalho”, comenta Sidney Cesar, que continua: “Sou de uma época em que tínhamos muitos churrascos e jantares com os professores, foram momentos inesquecíveis”.

Sobre a escolha de curso do filho Henrique, Sidney conta que não teve participação na iniciativa: “Não influenciei com relação ao curso, foi escolha dele e cheguei até a propor outras escolhas, mas ele foi irredutível e escolheu Engenharia Civil. Ele passou em outras duas universidades, mas ele quem decidiu pelo Santa Cecília, talvez por ter acompanhado minha trajetória profissional e das histórias contadas da época de faculdade”, ressalta o engenheiro, que ainda deseja ao filho: “Espero que ele seja muito feliz na sua escolha como eu fui e que os 5 anos de Universidade sejam inesquecíveis para ele”.

“(…) meu pai se formou na Unisanta e é um excelente profissional. Quer melhor indicação do que essa?”

“Meus pais queriam que eu fizesse um curso na área de informática, que eu também gosto. Mas não teve jeito”, assim brinca Henrique Cesar, natural de Águas de Lindoia, mas morador de Santos desde os dois anos de idade.

Atualmente aos 18, época de decisões complicadas para muitos jovens, como a escolha de prosseguir ou não nos estudos e do que estudar; Henrique não parece ter sofrido tanto com isso. “Escolhi Engenharia Civil porque desde pequeno sou apaixonado por Engenharia”, comenta o calouro da Unisanta.

“Meu pai sempre me levava no escritório da empresa em que ele trabalha aos sábados. E também como ele é Coordenador de Obras, viajava muito e no meu período de férias escolares, eu e minha mãe viajávamos com ele, assim ficávamos mais tempo juntos e ele me levava nas obras. E sempre compartilha com a gente o dia a dia da obra. Isso foi fazendo que eu cada vez mais me interessasse por essa profissão.”.

Henrique conta que escolheu a Unisanta como instituição de ensino: “por ser referência, na Baixada, do curso de Engenharia e também porque meu pai se formou na Unisanta e é um excelente profissional”, comenta o futuro engenheiro, que ainda brinca: “Quer melhor indicação do que essa?”.

Sobre suas expectativas para a faculdade, Henrique Cesar é conciso e diz o que seu pai, Sidney Cesar, deve ter pensado no final dos anos 80, na mesma situação do filho: “Ter bastante aprendizado, fazer muitos amigos e me tornar um excelente profissional”.