Reitora da Unisanta visita Universidade de Coimbra para ampliar intercâmbios e cursos em EaD 

270

A Missão Internacional objetiva ampliar parcerias para intercâmbio de alunos e professores em países europeus, além de envolver o setor produtivo nas pesquisas e promover cursos distância.

Cerca de cem alunos da Universidade Santa Cecília (Unisanta) fizeram intercâmbios com a Universidade de Coimbra nos últimos dois anos, em Portugal, e a reitora, a prof.a dra.  Sílvia Teixeira  Penteado, pretende ampliar ainda mais esses números, além de aumentar a oferta de programas de mestrado e doutorado.

Esse é um dos objetivos da Missão Internacional que ela iniciou dia 22/6, na Universidade de Coimbra.   A  Unisanta possui intercâmbio de Cooperação com essa universidade portuguesa desde 1980, completando, assim, 38 anos de parceria.

Mantém intercâmbios com outras instituições de ensino e de pesquisa de expressão mundial, reunindo uma rede de mais de 300 instituições. Outros  centros de ensino em países europeus serão visitados pela educadora, que pretende estender as parcerias com setores produtivos e também por meio de cursos  a distância.

Em Portugal, a dra. Sílvia Teixeira e o diretor da  Faculdade de Engenharia  e Arquitetura, dr. Antonio de Salles Penteado, estão sendo recebidos pelo reitor da Universidade de Coimbra, o  prof. dr. João Gabriel Silva, e pelo vice-reitor,  Joaquim Ramos de Carvalho.

Entre as vertentes de parcerias estão o Programa Erasmus Mundus, do qual o dr. Ramos de  Carvalho tem sido importante articulador, e os intercâmbios para professores e alunos da Faculdade de  Direito.

Em janeiro de 2018, 16 estudantes da Unisanta foram aprovados para intercâmbio na Universidade de Coimbra. Os cursos contemplados no primeiro semestre deste ano foram Arquitetura e Urbanismo, Engenharias, Educação Física, Ciências Biológicas, Direito, Jornalismo.

Mestrados e doutorados

O Programa de Doutorado e Mestrado Europeu Erasmus Mundus tem sido utilizado por pesquisadores da Unisanta  em instituições de ensino europeias. Desde 2004, a Universidade é também receptora de pesquisadores de Portugal e da Espanha,   que se utilizam de laboratórios da Unisanta,  como os de Ecotoxicologia, o do Núcleo de Pesquisas Hidrodinâmicas  e o de Operações Unitária (Engenharia Química), entre outros.

O Programa Erasmus + Erasmus Mundus Join Masters Degree (EMJMD) tem oferecido bolsas de estudo financiadas pela União Europeia (EU).  Em segunda convocação, os interessados podem se inscrever para a seleção sem as bolsas financiadas pela UE (EMJMD). Os últimos editais de convocação foram divulgados em janeiro, para o ano acadêmico 2018/2019.

Os Profs. Drs. Camilo Dias  Seabra Pereira e Augusto Cesar fizeram seus pós-doutoramentos  em Cádiz, sob a orientação de Tomás Ángel de Valls Casilla. E o dr. Rodrigo Brasil Choueri, atual professor do  Mestrado de Ecologia da Unisanta, foi o primeiro aluno a fazer mestrado e doutorado na Europa, pelo Programa Erasmus Mundus, orientado por Augusto Cesar.

O professor Phd Tomás Ángel Del Valls Casillas, da Universidade de Cádiz – Espanha, um dos maiores pesquisadores na área de Ecotoxicologia e Ciências do Mar, com centenas de publicações a respeito do assunto, vem à Unisanta periodicamente para ministrar módulos da Disciplina Water and Coastal Management aos mestrandos de Ecologia da Unisanta.

 Sua vinda periódica da Espanha a Santos faz parte da parceria da Unisanta com o programa internacional Erasmus Mundus, estabelecido em 2004. O dr. Del Valls Casillas  tem orientado pesquisadores da Unisanta e participado de bancas.

Pesquisas anteriores

Uma das pesquisas mais antigas na área do Erasmus Mundus foi o EcoManage – Sistema Integrado de Gerenciamento Ecológico de Zonas Costeiras (Integrated Ecological Coastal Zone Management), que produziu um banco internacional gigantesco de dados, de 2004 a 2007.

O sistema reuniu  informações científicas sobre o oceano, mangues, águas subterrâneas, habitações, sistemas de esgotos e outras intervenções do homem, em três regiões: sistema estuarino de Santos e São Vicente, no Brasil; Baía Blanca, na Argentina e no Fiorde de Aisén, região costeira do Chile. Para alimentar esse software, houve um trabalho incessante, praticamente diário, no estuário, mangues e laboratórios.

Essas informações permitiram um Modelo Matemático e Ecológico por computador capaz de orientar previamente governantes e empresários sobre a poluição no estuário, a construção de marinas, píers, terminais portuários, conjuntos residenciais, indústrias, empreendimentos turísticos e outras atividades econômicas, necessárias ao desenvolvimento sustentado.