TEP apresenta novo trabalho na Concha Acústica

23

         Após passar por várias casas de espetáculos da cidade, o novo trabalho do TEP – O HOMEM QUE SONHAVA PERNAS PASSOS E CANÇÕES será apresentado neste final de semana, 17 de novembro, a partir da 19 horas, na Concha Acústica Zéllus Machado, com entrada franqueada ao público.

Depois de quase oito meses de ensaios preparatórios desenvolvendo a produção do atual espetáculo e passagem por dois festivais, o Fescete 26 e o Festa 64, O HOMEM QUE SONHAVA PERNAS PASSOS E CANÇÕES inicia, a partir desta apresentação na Concha, uma série de intervenções pela cidade, de maneira a levar este trabalho, até meados do próximo ano, aos mais diversos espaços, muitos dos quais já com agendamento fixado, oportunamente a ser divulgado.

O espetáculo foi realizado a partir de uma colagem de textos pertencentes à lírica de diversos autores nacionais, de vários períodos, compilados e organizados pelo diretor do espetáculo, Gilson de Melo Barros, especialmente para comentar e celebrar duas datas importantes neste ano, o Centenário da Semana de 22 e o Bicentenário da nossa Independência Política.

Concebido como uma entropia distópica sobre a história do Brasil, cobrindo um arco narrativo que se desenvolve de 1500 até os dias atuais, o espetáculo aborda, de forma lapidar, alguns momentos que marcaram o desenvolvimento do nosso processo civilizatório, como o encontramento das terras brasileiras pelos colonizadores, o desenvolvimento dos seus primeiros ciclos econômicos, a servidão indígena e negra, a Inconfidência Mineira, todo o processo da independência política do país, a criação da República e o encaminhamento para os atuais movimentos políticos atravessados pela nação, que culminaram com a promulgação da Constituição de 1988.

Para a construção do texto, foi organizada pelo autor uma série de encontros literários improváveis, nos quais poderemos nos deparar, através de conexões de ideias, com o pensamento de inúmeros artistas brasileiros, dos mais diversos períodos, como já dito, a dialogar entre si, em uma fabulação que vai de Pero Vaz de Caminha a Torquato Neto, Castro Alves a Conceição Evaristo, Gregório de Matos a Caetano Veloso, Padre Antônio Vieira a Oswald de Andrade, entre outros, unidos a celebrar, cada um com sua tônica, os assuntos que, reunidos, narram a epopeia deste quinhão chamado Brasil. Para tal manobra, Gilson contou com a consultoria, em especial parceria, da artista plástica e professora de História da Arte Beatriz Rota-Rossi, frequente colaboradora do TEP, em mais uma eficiente participação.

Com ensaios realizados a partir de janeiro deste ano, na própria Unisanta, o grupo contou com diversas parcerias para o desenvolvimento do espetáculo: aulas de preparação corporal, por Arlaine Gomes; expressão vocal, por Lilian Rocha; laboratórios de maquiagem e criação de figurinos, por Rose Magalhães e Lindalva Parolini, respectivamente. Atividades estas direcionadas ao aprimorando dos atores e acabamentos do espetáculo.

Para a composição do elenco, novos e antigos parceiros se uniram ao grupo, a interpretar em sistema coringa (vários personagens-falas para cada ator) os textos do espetáculo: HENRIQUE PERGOLIZZI (Aedo, Corifeu e Pero Vaz de Caminha), TALLYTA FELIX (Jaci, Beata e Coro), CÍCERO PINTO (Português e Coro), EDELVIRA AZEVEDO (Índia e Coro) e MARCOS VICENTE (Coro).

O espetáculo, com música original de Julinho Bittencourt e Rodrigo Savazoni, tem a sonoplastia assinada por Jota Amaral, e cenografia, por Gilson de Melo Barros, além de contar com Pedro Paulo Zupo e Tales Ordakji na produção.

Com recomendação livre, o trabalho apresenta-se com entrada gratuita

BOM ESPETÁCULO!!!
SERVIÇO:
Concha Acústica Zéllus Machado
Jardim da praia de Santos, ao lado do Canal 3
Em caso de chuva, uma nova data deve ser marcada.