Laboratório de Operações Unitárias faz projeto do violino de acrílico

541

Concebido pelo Prof. Dr. Vitor da Silva Rosa, maestro Rômulo de Oliveira Ramos Moreira,  o técnico Álvaro Luiz Moreira Conrado e a equipe do Laboratório de Operações Unitárias Unisanta, o Projeto do Violino de Acrílico teve seu primeiro protótipo pronto e apreciado pelo violinista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), Emmanuele Baldini.

A ideia para o projeto partiu do maestro e violinista Rômulo de Oliveira Ramos Moreira, tendo em mente confeccionar violinos a partir de PET reciclado, visando retirar um resíduo da indústria petroquímica e agregá-lo à confecção de instrumentos intencionando à um baixo custo. 

Há muitos jovens que desejam ingressar no mundo da música, porém não possuem condições financeiras para comprar um instrumento e iniciar os seus estudos. Em particular, o violino é um instrumento que possui uma ampla variedade de preços, desde aqueles para iniciantes que custam por volta de R$ 300 até instrumentos profissionais que estão na faixa de R$ 8 mil a R$ 2 milhões. 

“Em relação aos violinos iniciantes, para muitas famílias investir 300 reais em um instrumento é algo praticamente impossível de fazer mediante a grave situação econômica que assola uma grande parte da população brasileira”, comenta Vitor da Silva Rosa, professor de Engenharia Química da Unisanta.

Ele conta, no entanto, que no decorrer das conversas, a equipe responsável pelo desenvolvimento do projeto resolveu utilizar o acrílico uma vez que esse material também é abundante, além de ser mais prático em trabalhos de conformação.

A construção dos protótipos seguiu exatamente as medidas de um violino convencional de madeira e, para isso, a equipe contou com o técnico do Laboratório de Operações Unitárias, Álvaro Luiz Moreira Conrado, responsável pela confecção do violino de acrílico. “No caminho tivemos algumas dificuldades, mas com a ajuda do maestro Rômulo e muita pesquisa nas redes sociais, conseguimos confeccionar o primeiro violino, e o segundo ficou mais fácil aplicar a técnica”, comenta ele.

O processo de fabricação envolveu cortes do acrílico, conformação e colagem, sendo que o laboratório InovFabLab foi essencial para realizar os cortes do acrílico. O técnico também conta que após o término do segundo e a afinação do instrumento, não imaginava que o segundo teria um som tão lindo. “Nosso objetivo sempre foi proporcionar para as pessoas de baixa renda um instrumento de qualidade e preço acessível a todos”, ressalta.

Além de Álvaro Conrado, também fizeram parte da equipe Rômulo de Oliveira Ramos Moreira, responsável por verificar a harmonia do protótipo e sua viabilidade cultural, assim como Vitor da Silva Rosa, que atuou como coordenador do Projeto Violino de Acrílico.

Por diante, da visita do Prof. Vitor Rosa com o violino pronto, Emmanuele Baldini, spalla (1) da Osesp, pôde examinar o instrumento e tocá-lo, ficando impressionada com as possibilidades que o projeto como esse poderia realizar. “Se entrar em produção, poderia abrir as portas para vários jovens ao mundo da música”.

Confira o vídeo do violinista dando seu depoimento sobre o instrumento: https://www.youtube.com/watch?v=UVv62FHUJ6o

 

 

(1) Spalla é um termo italiano que se refere ao primeiro violino de uma orquestra, sendo responsável por liderar e coordenar a seção de violinos em uma orquestra, além de comunicar ao maestro informações sobre a execução da música pela seção de violinos.