Coordenadora de curso de Pós lança livro na Comemoração do Dia da Justiça Restaurativa em Santos

207

No dia 8 de julho, às 17h, um encontro virtual irá marcar a celebração do ‘Dia da Justiça Restaurativa’ em Santos. A data comemorativa do dia 11/07 passou a constar no Calendário Oficial da Cidade de Santos, depois de instituída pela Lei n° 3.527/2019, que visa reforçar a proposta de divulgar a Cultura de Paz em toda a região, bem como apresentar suas ações anuais para validar a manutenção dessa Política Pública Interinstitucional.

Na oportunidade, a Câmara Municipal realizará a formatura da primeira turma de Facilitadores em Círculos de Construção de Paz do Legislativo o lançamento do Livro Infantil “Um Dia de Paz Restaurativa”, das autoras Liliane Rezende (Lili Rezende) e Vanessa Ratton (Tatá Bloom), em formato de e-book, que tematiza os princípios e valores da Justiça Restaurativa que fazem parte da Cultura de Paz nas escolas.

Para Liliane, coordenadora do Programa Municipal de Justiça Restaurativa, “o trabalho da Justiça Restaurativa em Santos tem um bom resultado porque é interinstitucional, integrando os três poderes, o Executivo, o Legislativo e o Judiciário”. Além do programa municipal, Liliane coordena o curso de pós-graduação Lato Sensu em Justiça Restaurativa da Universidade Santa Cecília (Unisanta), inédito no estado de São Paulo.

Lançamento de livro infantil

“Um dia de Paz Restaurativa”, obra escrita por Lili Rezende e pela autora infantil Tatá Bloom, pode ser considerado um marco histórico do primeiro livro infantil sobre o tema no Brasil. Ele tem a apresentação da idealizadora dos Círculos de Construção de Paz da Justiça Restaurativa, a professora americana Kay Pranis.

Em breve será lançado também como livro físico, graças a uma emenda impositiva da vereadora Audrey Kleys, e será doado para todas as bibliotecas da rede municipal de ensino da Baixada Santista.

As autoras doarão 70% das vendas do e-book para a construção de novos Núcleos de Educação para a Paz nas Unidades Municipais de Educação de Santos.

Para Liliane, a história será um primeiro contato de crianças, pais e professores com a Justiça Restaurativa e vai complementar o trabalho que já é realizado pela equipe dos facilitadores que atuam com as práticas restaurativas nas escolas.

“A ideia do livro infantil com o propósito de disseminar a cultura de paz nas ambiências escolares é um solo fértil para a transformação e mudança da cultura punitiva e violenta em nosso país. Sentimos a necessidade desse material para trabalharmos os valores com as nossas crianças que muito necessitam, para isso alinhamos a temática com a BNCC, que apresenta as competências socioemocionais”.

Com isso, as nossas crianças terão a possibilidade de gerenciar melhor as emoções, alcançar objetivos, demonstrar empatia, manter relações sociais positivas, tomar decisões de maneira responsável, entre outros.

Temos resultados de mais de 90% na redução de conflitos no convívio escolar. A literatura irá nos ajudar a sensibilizar ainda mais as crianças para os valores do respeito às diversidades, da importância do diálogo respeitoso e do cuidado dos sentimentos, do pertencimento à comunidade escolar e dos vínculos afetivos entre as pessoas.”

A escritora Tatá Bloom, pseudônimo da jornalista e psicopedagoga Vanessa Ratton, acredita na força da literatura infantil: “É maravilhoso poder ajudar a construir a Cultura de Paz no coração das crianças e, assim, contribuir para o bem-estar de todos, com mais igualdade, empatia e felicidade. A arte tem o poder de transformar a sociedade, creio que esse é seu grande papel, ajudar a criança a ler o mundo e mostrar desde cedo como ele pode ser mudado para melhor”.