Alunos do Ensino Fundamental II do Colégio Santa Cecília constroem sapos robóticos na aula de Atividade Robótica

51

Aliar inovação e modernidade segue sendo um dos objetivos principais do Colégio Santa Cecília. E o professor Luís Fernando Bueno Mauá, responsável pela aula de Atividade Robótica, direcionada aos alunos do 6.° ao 9. ano do Ensino Fundamental II, trouxe para a sua turma uma brincadeira lúdica e criativa: a construção de sapos robóticos, feitos pelos estudantes.

Os kits para a montagem dos sapos foram distribuídos para cada grupo e continham os seguintes elementos: materiais motores, sensor de toque, de cor, de distância, peças de encaixe, conectores, eixos e engrenagens. Os grupos podiam ser formados por quatro a seis pessoas.

Incluída na grade curricular dos alunos do Ensino Fundamental II neste ano, a aula de Atividade Robótica trabalha com as montagens de robótica, projetos de informática, programação e realidade aumentada.

Segundo o professor Luís Fernando, esta era uma atividade cujo princípio, era trabalhar com as peças e encaixes no kit por meio da experimentação e, assim, cumprir o objetivo proposto: fazer o sapo pular.

Além disso, aprender conceitos de alavanca e atrito, para fazer o sapo pular, foi outra razão que levou o professor a trazer esse conteúdo para a sala de aula.

Para aumentar a dificuldade, a turma não tinha o manual do passo a passo da montagem. Desta forma, eles tiveram que trabalhar a criatividade e o trabalho em equipe.

Em alguns casos, os grupos gostaram tanto do projeto, que adotaram o protótipo e até deram um nome para ele. “Nós achamos a experiência muito interessante e divertida. Demos até um nome para o nosso sapo: Michael Jack”, diz a aluna do 7.°A Sophia Freitas.

A aluna, que compôs o grupo com Adriane Pontes, Mario Costa, Lorena Rodrigues e Desiree Aver Pause, comenta um pouco sobre o processo de construção desses sapos. “No início, ele ficava andando para trás, mas conseguimos adaptar as peças para fazê-lo ir à frente saltando”.

Mas não são só os alunos que ficaram empolgados com o projeto. O professor Luís Fernando se sente realizado quando os alunos finalizam os trabalhos. “Uma das maiores dificuldades deles é com o trabalho em equipe. Por isso, é muito importante criar esses desafios para eles resolverem”, conclui.

Confira mais algumas fotos dos alunos com os sapos robóticos: