Especialista em Botânica realiza capacitação na Unisanta para alunos de Ciências Biológicas

26

A capacitação auxiliará também o desenvolvido da pesquisa “Conhecendo para preservar: a epífita nos canais da cidade de Santos, litoral sul de São Paulo”, realizada pelo Herbário da Universidade.

A renomada pesquisadora Dra. Olga Yano, que atuou no Instituto de Botânica de São Paulo, na área de briófitas, realizou, na última quarta-feira (12), uma capacitação sobre taxonomia e ecologia de briófitas para alunos de Ciências Biológicas da Universidade Santa Cecília (Unisanta).

Participaram da atividade estagiários do Herbário da Unisanta, além de alunos e Ciências Biológicas da Unisanta. Durante a ação,foram demonstradas técnicas de coletas e sobre diversidade de ambientes específicos para ocorrência de briófitas.

A Dra. Olga tem 168 trabalhos publicados (capítulos de livros, publicação científica e folhetos), com destaque nacional e internacional.

A capacitação auxiliará também o desenvolvido da pesquisa sobre os canais de Santos, realizada pelo Herbário da Unisanta, em parceria com o Núcleo de Pesquisas Hidrodinâmicas da Universidade, o Biólogo da Prefeitura Municipal de Santos, André Olmos, e o prof. Dr. Ronaldo Torres, da UNIFESP – Santos.

De acordo com a coordenadora do Herbário da Unisanta, Zelia de Mello, o projeto consiste em analisar a qualidade da água dos canais por meio de diversos parâmetros, como a presença de metais pesados, pH, oxigênio dissolvido, turbidez, nutrientes eoutros compostos e buscar a relação dos resultados dessa análise com a ocorrência de briófitas (musgos) nos paredões dos canais.

Ainda de acordo com a bióloga, a pesquisa, intitulada Conhecendo para preservar: a epífita nos canais da cidade de Santos, litoral sul de São Paulo, visa também informar a população sobre:quais são as árvores e as plantas epífitas que vivem sobre elas? O que proporcionam as árvores e as plantas epífitas que encontramos ao longo dos canais da cidade de Santos?

“Escolhemos dois canais para realizar as observações.  No primeiro momento, coletamos as briófitas existentes nos paredões dos canais  1 e 5, e já estamos identificando as espécies. No segundo momento, estamos realizando a identificação das árvores e das plantas que vivem sobre elas, como pteridófitas e angiospermas”.

A próxima etapa é de análise da qualidade da água dos canais por meio de diversos parâmetros, como a presença de metais pesados, pH, oxigênio dissolvido, turbidez, nutrientes e outros compostos e terminar as coletas e identificações das espécies de plantas. “Queremos apresentar esse trabalho no 70º. Congresso Nacional de Botânica, a ser realizado em Maceió, em outubro próximo”, finaliza.