Lucas Souza, do Colégio Santa Cecília e da natação Unisanta, é Campeão Mundial Escolar, na África

480

O evento, com 18 modalidades esportivas, é considerado uma Olimpíada. Participam cerca de 3 mil jovens atletas de 58 países

Um fenômeno. Essa é a melhor forma de apresentar o nadador de 16 anos, Lucas Santos Ferreira de Souza, que acaba de se tornar campeão mundial escolar nos 50 e 100m livre, além da conquista do ouro nos revezamentos 4x100m livre masculino e 4x100m livre misto, e bronze nos 4×100 medley, representando a seleção brasileira de natação, o Colégio Santa Cecília e sua equipe, a Unisanta, na 17ª edição da Gymnasiade, Jogos Mundiais Escolares, na África.

No último sábado, Lucas subiu ao lugar mais alto do pódio nos 100m livre, com o tempo de 51s47. No mesmo dia, abriu o revezamento 4x100m livre e ajudou a seleção brasileira a conquistar ouro na prova. No dia seguinte (domingo), Lucas se tornou também campeão mundial escolar da prova mais rápida da natação, os 50m livre, com o tempo de 23s08. Além disso, ganhou bronze em outro revezamento, dessa vez nos 4×100 medley. Fechando sua participação no mundial, na segunda-feira, ganhou mais um ouro no revezamento 4x100m livre misto, totalizando quatro medalhas de ouro e uma de bronze.

Na prova de sábado, nos 100m livre, o jovem atleta, que reside na Praia Santa Cruz dos Navegantes, em Guarujá, e treina na Unisanta desde os oito anos, deixou para trás o irlandês Jack Mcmillan e o grego Georgios Vougiatzis, ambos de 18 anos.

No primeiro revezamento, nos 4x100m livre, formaram o quarteto brasileiro com Lucas, os atletas Gustavo Saldo, Victor Rocha e Matheus Bides. A prata ficou com a equipe da Inglaterra e o bronze, com a Grécia.

Dedicação – Logo após o título de campeão mundial que conquistou nos 100m livre, Lucas falou sobre sua preparação para chegar à África.

“Cada esforço, luta e choro valeu a pena. Nem caiu a ficha ainda que eu sou campeão mundial, representando o Brasil e a Unisanta. Não fiz meu melhor tempo, mas estou muito feliz pelo título. Depois, no revezamento, fiz quase o mesmo tempo dos 100m livre e ajudei a equipe na conquista do ouro. Por isso, acho que estamos no caminho certo. Agradeço muito à Maressa (técnica) por tudo que tenho vivido”.

No ano passado, Lucas fez sua estreia no mesmo mundial, mas na Hungria. Conseguiu se classificar para as finais de três provas, ficando com a quinta melhor colocação do mundo, em sua categoria, nos 100m livre.

A mãe, Lúcia Rosiane, que está no Brasil e já fez parte da mesma equipe de natação do filho, sendo campeã brasileira e sul-americana, comentou sobre o título e a dedicação do nadador.

“O Lucas fez uma ótima preparação para o mundial, mas antes da viagem ficou um pouco preocupado. Teve amidalite e foi preciso até tomar antibióticos. Estou muito orgulhosa por ele ser campeão mundial. Esse resultado é o início de tudo aquilo que eu não consegui conquistar”.

Lúcia revelou que por morar na Praia Santa Cruz dos Navegantes, o atleta acorda às 4 horas da madrugada para treinar, mesmo embaixo de chuva. “Às vezes, ele dorme na casa de outro atleta em Santos, e isso ajuda muito”.

A dedicação é um dos pontos fortes do filho, comenta a mãe. “Ele mesmo cuida do café da manhã e dos lanches. Segue rigorosamente as orientações da nutricionista da equipe de natação do Santa”.

Bianca Carrai Loureiro, também aluna do Colégio Santa Cecília e da equipe de natação da Unisanta, integra a Seleção Brasileira Escolar, coordenada pela técnica e professora da Faculdade de Educação Física e Esporte da Unisanta, Maressa Nogueira. A comissão técnica tem ainda o professor Daniel Melo, do Rio de Janeiro, e o diretor de natação escolar do Brasil, Walter Thiessen.

A técnica Maressa falou sobre a trajetória de Lucas e a preparação da equipe.

“Assim que saiu a data da seletiva estadual, estávamos encerrando a temporada, em dezembro passado. Mesmo assim, continuamos treinando os alunos-atletas do Colégio Santa Cecília. No final de março deste ano, ocorreu a seletiva nacional, quando foram selecionados dois nadadores. Lucas é um atleta fora da curva. Tem seus objetivos bem claros e nunca se queixou de um só treino. Conforme foi crescendo e ganhando maturidade, passou a desenvolver o autoconhecimento e a colaborar ainda mais com os ajustes finais junto à equipe multidisciplinar. O resultado não poderia ser outro”.

Marcelo Teixeira, pró-reitor administrativo da Unisanta, ressaltou a filosofia da instituição, de conciliar educação e esporte, e destacou o potencial e a dedicação dos alunos-atletas.

“O projeto do Santa Cecília é tão amplo e ilimitado que beneficia crianças, adolescentes e jovens, do ensino fundamental aos cursos superiores, incentivando o desenvolvimento dos seus dons, tanto nos bancos escolares quanto no esporte. É o caso do Lucas, André Calvelo, Gabriele Roncatto e de tantos outros com enorme potencial, com grandes chances de representarem o Brasil em futuras Olimpíadas”.

Jogos Mundiais Escolares – O maior evento escolar do mundo é realizado pela Federação Internacional do Desporto Escolar (ISF) em parceira com federações e confederações do mundo inteiro, e reúne cerca de 3 mil jovens atletas, de 58 países, que participam de 18 modalidades esportivas.

Com duração de oito dias, os jogos estão sendo realizados em Marrocos (África), porém a natação e o surfe ocorrem na maior cidade do país, Casablanca.