Cláudio Tucci, prof. de Segurança Pública da Unisanta, analisa a implantação de câmeras em uniformes policiais em Guarujá

169

A matéria foi publicada no jornal A Tribuna desta terça-feira (2) e aborda a discussão sobre o novo artefato na farda

Os policiais da área do 21º Batalhão de Vicente de Carvalho, em Guarujá, receberão câmeras, que serão implantadas em seus uniformes. A novidade objetiva ajudar os profissionais no combate à violência, reduzindo a criminalidade e aumentando a qualidade das provas judiciais.

O docente do curso de Segurança Pública da Universidade Santa Cecília (Unisanta), Cláudio Tucci Junior, analisou, para o jornal A Tribuna, a implantação das câmeras de alta definição que irão gravar as ações de policiamento na cidade.

Segundo o texto da página A-7 do caderno Cidades desta terça-feira (2), Tucci acredita que, ‘além de promover a segurança do cidadão em uma abordagem policial e a preservação de provas nos locais de crime, a gravação também ajuda a coibir abuso de autoridade e desvio de condutas dos policiais’.

“O que pode dar um pouco de controvérsia e que vai ser superado pela importância do projeto, é a questão de privacidade nas abordagens. Mas um estudo mais aprofundado pode resolver essa questão”, ressalta o especialista.

O tenente-coronel Robson Cabanas Duque, gerente responsável pelo projeto, está finalizando um estudo sobre a implantação de câmeras, que será apresentado para o Comando-Geral da Polícia Militar até o final deste mês.

A matéria ainda lembra que ‘as câmeras não permitem que o policial apague, edite ou compartilhe os vídeos, pois são arquivos sigilosos e protegidos por lei que serão apresentados apenas com o pedido da Justiça’. As câmeras não funcionarão durante as 24 horas do dia. Os policiais poderão ligar e desligar o equipamento, ou seja, quando o policial estiver parado durante patrulha ou na delegacia, a câmera ficará desligada e só será ligada se ele estiver em uma ocorrência.

Nos estudos do tenente-coronel, o equipamento seria acionado em toda a ocorrência que fosse originada pelas ligações do Centro de Operações da PM (Copom), em ações na comunidade.