Seminário sobre karatê atrai representantes de outros estados, na sexta e no sábado (24 e 25)

270

Seminário “Karatê para a vida” contará com a participação do Sensei Arakaki, aluno direto do Shihan (mestre) Juichi Sagara Os alunos até os 11 anos de idade estão convidados a fazer uma aula às 11h , quando os pais serão informados sobre a importância do esporte para a vida.

por Kelvyn Henrique, estágio acadêmico

O sensei (professor) de Educação Física da Universidade Santa Cecília (Unisanta), Paulo Bartolo, promove o seminário “Karatê para a vida”, nos dias 24 e 25 de agosto. Na sexta-feira, o evento acontece no Consistório do Bloco M, às 19h e,  no sábado, no Ginásio Poliesportivo, das 9 às 18h. Estão inscritos representantes de diversos estados brasileiros.

Os alunos até os 11 anos de idade estão convidados a fazer uma aula às 11h. Na oportunidade, Bartolo explicará aos pais a importância da prática do karatê.

As lutas de um karateca não se resumem ao tatame, mas se expandem nos desafios diários que são travados desde o despertar até a hora de dormir, afirma Bartolo. “A vida de um atleta é cheia de desafios e envolve outros conceitos como qualidade de vida, técnicas de defesa pessoal, e principalmente o Budo, que são princípios éticos que um praticante segue por toda a vida. Com a participação do esporte nas próximas Olimpíadas (em Tokyo 2020), o karatê alcançou o ápice, daí a importância de um seminário sobre o assunto”, explica Bartolo.

“As competições são um pedaço da vida, mas o karatê permanece até o fim dela. O seminário serve para despertar isso nas pessoas e mostrar o esporte como formador de disciplina, cidadania, caráter, exercício físico e excelente arte marcial”.

Nível nacional

O seminário é o encontro de duas escolas, com a presença do Sensei (professor) Hélio Arakaki, aluno direto do Shihan (mestre) Juichi Sagara, conceituado  representante japonês do karatê. “Professor Arakaki que foi aluno do mestre Sagara e eu da escola do mestre Sasaki,  um mestre da USP, muito científico. Estaremos trabalhando juntos no projeto de Budo, no qual o objetivo é o karatê para a vida! ”, explica Sensei Bartolo.

A inscrição custa R$100,00 e pode ser feita até o dia do evento.

“É um grande evento de nível nacional e estão confirmados professores do Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Esperamos atingir um bom público local, pela grande abrangência que temos na Baixada Santista, e será o primeiro de muitos seminários”, conta com entusiasmo Bartolo.

Importância social e inclusiva

O papel social está bem presente no esporte, através da filosofia herdada dos primeiros mestres japoneses e que foram sendo transmitidas até aqui. “O papel social do karatê hoje é muito importante na sociedade. Ensina a disciplina, a formação de caráter usando a excelência da disciplina japonesa e a formação filosófica”, diz Bartolo. Ele também cita a importância na vida de jovens que vivem em áreas carentes e têm poucas opções de lazer.

“Hoje o que mais temos são projetos sociais envolvendo o karatê, que conseguem tirar crianças e jovens do caminho errado”,

O intercâmbio sempre fez parte da história do karatê, desde os tempos antigos.  quando os mestres já treinavam uns com os outros. A vinda de diversos professores de karatê ao Brasil, após a Segunda Guerra Mundial, contribuiu não só para a expansão da arte marcial, mas também no setor agrícola e a troca de cultura entre os dois povos.

“Primeiro eles difundiram a arte marcial entre seus pares, ensinando karatê a outros japoneses que viviam aqui. Depois, em 1955 abriu a primeira academia de karatê oficial em São Paulo, com o mestre Arada. Em 1962, veio a do mestre Shinzato e a partir daí, houve  uma  crescente profissionalização do karatê”, relembra Bartolo.