Alunos de Engenharia Civil estudam soluções para gerenciamento de resíduos no Porto de Santos em TCC

32

A possibilidade da implementação de uma usina de eliminação de resíduos do Porto de Santos para geração de energia é um dos objetivos de estudo do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) dos alunos de Engenharia Civil Lucas Catarino Varela, Maui Zanetti e Rodrigo Farias da Graça. O tema  é “Gerenciamento de Resíduos em Áreas Portuárias – Porto de Santos” e a orientação fica a cargo do Professor Mestre Adilson Luiz Gonçalves.

A hipótese levantada é a de se os resíduos coletados no Porto de Santos têm potencial para reaproveitamento ou reciclagem, para uso interno ou comercialização externa. O relatório utiliza-se de dados fornecidos pelos diversos atores do Porto Organizado de Santos. A confiabilidade dos dados é baseada nas quantificações apresentadas nos Certificados de Destinação de Final (CDFs), que atestam a destinação dos resíduos.

Uma solução apresentada pelo grupo é a utilização de vagões e caminhões para o transporte dos resíduos sólidos. Segundo o texto, no caso do Porto de Santos, cerca de 90% dos vagões e caminhões que transportam granéis sólidos vegetais para exportação retornam vazios às zonas produtoras do agronegócio. Essa alternativa de transporte poderia viabilizar o aproveitamento doa resíduos,  com a vantagem adicional de gerar receitas acessórias à Administração Portuária, observam os alunos. .

Subprodutos dos resíduos

O grupo avaliará a viabilidade de destinar os resíduos gerados pelo Porto de Santos a uma futura instalação de uma usina voltada à geração de energia ou a processamento e comercialização desses resíduos.

Esses resíduos orgânicos gerados pelo Porto podem ser usados para a produção de energia, através de biodigestores. Com essa degradação, são obtidos subprodutos como: fertilizantes e gases (biogás), em especial o gás metano (CH4), que é um combustível. A grande vantagem é que o gás metano pode ser aproveitado para geração de calor, energia elétrica ou como combustível em veículos automotores.

Segundo o relatório, o projeto se justifica pois o Porto de Santos é um grande gerador de resíduos dos mais diversos tipos.  Baseado nos relatórios anuais da CODESP o Porto emitiu aproximadamente 3.571.829,80 quilos de resíduos orgânicos em 2016. Em relação aos resíduos de concreto,  o Porto produziu cerca de 14.017.214 quilos no mesmo ano.

A partir do conhecimento do atual modelo de gestão adotado pela CODESP,  o trabalho abrirá a possibilidade de identificar eventuais alternativas sustentáveis para a destinação final dos resíduos das atividades portuárias.

A pesquisa foi dividida em quatro etapas: revisão bibliográfica; avaliações e comparativos com portos considerados modelos (benchmarking); pesquisa de campojunto ao setor responsável da CODESP e análise de processos e logística associada que permitam aprimorar a gestão de resíduos sólidos no Porto de Santos. A comparação nacional foi com a Usina de Recursos Orgânicos em São José dos Pinhais, no Paraná,  e a comparação internacional veio através do Porto de Valencia, na Espanha.