Colaborou Julia Moura – estágio acadêmico

Os cuidados com a saúde física e mental da população são essenciais em meio à pandemia do novo coronavírus – COVID-19 e à crescente quantidade de informações preocupantes sobre o assunto. Coordenadora do curso de Psicologia da Universidade Santa Cecília (Unisanta), a Profa. Gisela Monteiro falou sobre a importância do trabalho do psicólogo e deu dicas para aliviar a tensão das pessoas que estão em isolamento ou trabalhando fora de casa neste momento.

“Na pandemia estamos trabalhando intensamente nas diferentes frentes, de recomendações sobre como lidar com as limitações do confinamento como no atendimento às pessoas em crise, para as quais a realidade tem sido quase insuportável”, disse ela.

De acordo com a psicóloga, o descanso mental é necessário para controlar o estresse, pânico e ansiedade que muitos podem sentir, por conta do confinamento.

“O estresse deve ser enfrentado seguindo as estratégias mais adequadas a cada pessoa, mas vale ressaltar que para o cansaço físico é necessário o descanso físico e para o desgaste mental é preciso o descanso mental. Como? Com atividades intelectuais que relaxem cada um, como leitura, palavra cruzada, quebra-cabeça, ver filmes, ouvir música, meditar… Não há uma estratégia única para todos. Se a pessoa não sabe qual funciona, deve experimentar”, explica.

Segundo Gisela, as pessoas que não podem manter o isolamento social, porque precisam sair de casa para trabalhar, são as que devem ter o maior cuidado com a saúde mental, já que podem acabar sobrecarregadas com a vulnerabilidade ao contágio. A vigilância sobre si mesmas e as estratégias para o descanso mental são fundamentais para que essas pessoas não cheguem ao esgotamento físico e mental.

“O pânico e a ansiedade vêm do medo, portanto obter informações sobre a realidade é fundamental. A verdade é sempre melhor, do ponto de vista psicológico, que a fantasia, a imaginação. As informações vindas de fontes oficiais, como de governos ou centros de pesquisa, que a imprensa tradicional tem noticiado é que vão orientar nossa conduta. A negação dos fatos pode ser catastrófica nesse momento”, afirma Gisela.

Ainda sobre o papel do psicólogo, a coordenadora falou sobre como a presença desses profissionais em um hospital pode trazer benefícios, “acolhendo o sofrimento do paciente e o ajudando a enfrentar as limitações da internação, sempre com base na realidade de seu caso, de sua condição de saúde. O psicólogo pode também atuar junto aos familiares dos pacientes que ficam isolados e das equipes de saúde que lá trabalham e estão sobrecarregadas”.

Iniciado no mês de março de forma remota por conta das recomendações de isolamento social, o curso de Psicologia da Unisanta está abordando a questão da pandemia e suas implicações desde a primeira semana de aulas. O assunto foi tratado em disciplinas como Psicofisiologia, Psicologia do Desenvolvimento, Introdução à Pesquisa Científica em Psicologia, Processos Psicológicos Básicos, Psicologia e Contemporaneidade, Estágio Básico de Observação, Introdução à Sociologia, Cultura e Sociedade e Origens e História da Psicologia.

Interessados em cursar Psicologia na instituição têm a opção de iniciar o curso ainda neste mês de abril. Informações: www.unisanta.br/vestibular